terça-feira, 5 de abril de 2011

Banqueiros portugueses tiram o tapete a José Sócrates


Faria de Oliveira (CGD), Santos Ferreira (BCP), Ricardo Salgado (BES), Fernando Ulrich (BPI) e Nuno Amado (Santander Totta)


Líderes dos maiores bancos reuniram-se ontem secretamente no Banco de Portugal. Foram dizer que não emprestarão mais dinheiro ao Estado.
E agora?
Resta pedir ajuda ao FMI/FEEF. E já: 15 mil milhões de euros de apoio intercalar à Comissão Europeia, só para chegar até Julho.

Em 6 anos José Sócrates conduziu Portugal à falência. A banca portuguesa não está em risco de colapso, mas pode ter problemas devido à descida do rating da República. Daí os banqueiros optarem por salvar os seus bancos e abandonarem o barco.
A estrela de José Sócrates começou a empalidecer...


3 comentários:

  1. Petição para auditoria imediata das contas do Estado
    http://www.ipetitions.com/petition/auditoria/

    ResponderEliminar
  2. Após décadas de desilusão com as políticas e políticos que temos tido, é deveras lamentável que não se ouse divulgar o que aconteceu recentemente com a Islândia.

    «(…) Graças a esta política de não pactuar com os interesses descabidos do neo-liberalismo instalado na Banca, e de não pactuar com o formato do actual capitalismo (estado de selvajaria pura) a Islândia conseguiu, aliada a uma política interna onde os islandeses faziam sacrifícios, mas sabiam porque os faziam e onde ia parar o dinheiro dos seus sacrifícios, sair da recessão já no 3º Trimestre de 2010.
    O Governo islandês (comandado por uma senhora de 66 anos) prossegue a sua caminhada, tendo conseguido sair da bancarrota e preparando-se para dias melhores. Os cidadãos estão com o Governo porque este não lhes mentiu, cumpriu com o que o referendo dos 93% lhe tinha ordenado, e os islandeses hoje sabem que não estão a sustentar os corruptos banqueiros do seu país nem a cobrir as fraudes com que durante anos acumularam fortunas monstruosas. Sabem também que deram uma lição à máfia bancária europeia e mundial, pagando-lhes o juro justo pelo que pediram, e não alinhando em especulações. Sabem ainda que o Governo está a trabalhar para eles, cidadãos, e aquilo que é sector público necessário à manutenção de uma assistência e segurança social básica, não foi tocado.
    Os islandeses sabem para onde vai cada cêntimo dos seus impostos.
    Não tardarão meia dúzia de anos, que a Islândia retome o seu lugar nos países mais desenvolvidos do mundo.
    O actual Governo Islandês, não faz jogadas nas costas dos seus cidadãos. Está a cumprir, de A a Z, com as promessas que fez.
    Se isto servir para esclarecer uma única pessoa que seja deste pobre país aqui plantado no fundo da Europa (...)
    Por Francisco Gouveia, Eng.º»
    http://www.dodouro.com/noticia.asp?idEdicao=349&id=23501&idSeccao=3973&Action=noticia

    ResponderEliminar
  3. Acredito que a comunicação de notícias fidedignas entre os cidadãos e a sua discussão em blogues, movimentos cívicos, ... , bem como as petições e, sobretudo, as iniciativas legislativas de cidadãos também poderão fazer algo por este “pobre país plantado no fundo da Europa”, como diz o autor do artigo que fez o favor de me enviar, o qual agradeço e procurarei divulgar.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar