quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

A fraude homeopática


Vejamos como é produzido um produto homeopático típico com a diluição 30X. Uma parte da substância activa é misturada com dez partes de água e agitada. Depois uma parte desta mistura é diluída em dez partes de água e agitada. E repete-se o processo 30 vezes. No final, 1 parte da substância activa ficou diluída em 10³⁰ partes de água.
Sabe-se, há mais de um século, que 18 g de água contêm 6x10²³ moléculas. Logo

18 g
_______
6x10²³


=


x
______
10³⁰

seria preciso tomar 3x10⁷g da solução, ou seja, 30.000 litros para ter a expectativa de ingerir uma única molécula da substância activa.

No Oscillococcinum, um produto vendido como "remédio" para a gripe, a diluição é ainda muito maior, exactamente 200C. O C significa que uma parte de extracto de fígado e coração de pato agora é misturada com cem partes de água. E repete-se a diluição 200 vezes. A conclusão é que 1 molécula do extracto de miudezas de pato fica diluída em (10²)²⁰⁰ = 10⁴⁰⁰ moléculas de água, ou seja, o algarismo 1 seguido de 400 zeros. Acontece que há cerca de 10⁸⁰ átomos no universo, de modo que a diluição do Oscillococcinum fica espantosamente abaixo do limiar de diluição do universo observável!

Portanto a homeopatia não tem base científica. Apoia-se na crença de que as moléculas de água têm memória, crença possivelmente alimentada por uma ideia errada do que é a estrutura da matéria. É o resultado de ter-se reduzido quase a zero o estudo da Matemática, Física, Química, Biologia e Geologia durante 40 anos, ter-se eliminado os exames e de dar-se diplomas a ignorantes, convencendo-os que são cultos.

Sem cultura científica suficiente para entenderem sequer o método experimental criado por Galileu Galilei — que permitiu um avanço de séculos da ciência e tecnologia ocidentais face à cultura asiática cristalizada no pensamento filosófico —, os adeptos da homeopatia fazem analogias de arrepiar os neurónios dentro de matérias das ciências exactas.
Como os filósofos nada sabem de correlações estatísticas, só há uma maneira de lhes explicar que os estudos científicos realizados com produtos homeopáticos mostram que estes actuam como placebos: é a via do humor. O artigo a seguir transcrito é uma pérola nesse campo:


"Oscillococcinum Cadabra

JOSÉ DIOGO QUINTELA, 25 de Janeiro de 2015

Tenho a casa transformada em enfermaria. Neste momento, estão internados cinco Nenucos, três Barbies (tecnicamente, uma delas é Barbie-Sereia) e um Action Man. Padecem de gripe.

A minha filha é muito atenciosa com os pacientes. Está a levar a sua função terapêutica muito a sério. A minha mulher está convencida de que a miúda vai ser médica. A mim, pela maneira como ela trata as bonecas, dá-me mais a sensação que ela vai ser homeopata. É que os remédios que ela receita são colheradas de ar e pingos de água aplicados a partir de um biberon de brincar.

Como pai preocupado com o futuro, é óbvio que estou contente. A homeopatia não é tão prestigiante quanto a medicina, mas dá mais dinheiro. E o curso é mais fácil. Só é preciso aprender a medir porções, diluí-las e sacudi-las num recipiente. No fundo, é um curso de barman em que só se usa água. Aliás, qualquer pessoa que já teve preguiça de ir à despensa buscar uma embalagem de champô nova, preferindo antes encher de água e abanar a embalagem vazia de modo a recolher refugo de champô com que lavar a cabeça, é um homeopata em potência.

Todos os dias ouço um anúncio na rádio a recomendar que faça a prevenção da gripe com o Oscillococcinum, um produto homeopático. Ora, eu não sou cientista. Logo, tenho toda a qualificação necessária para me pronunciar sobre homeopatia. E diria que a prevenção da gripe com pílulas de açúcar só funciona se o vírus influenza estiver a fazer a dieta do Paleolítico. Sem ser para evitar os hidratos de carbono, não estou a ver outra razão que levasse um vírus a não querer instalar-se em alguém só porque toma pílulas de açúcar. A empresa que o vende garante que não tem efeitos secundários. Aí já estamos de acordo. É natural que não tenha, porque para ter um efeito secundário seria necessário que tivesse, anteriormente, um efeito primário.

No entanto, a bem da verdade, tenho de reconhecer que o Oscillococcinum não é apenas açúcar. O seu ingrediente fantástico (no sentido de “estupendo” para os homeopatas; no sentido de “fictício” para as restantes pessoas) é um extracto de miudezas de pato, o que faz do Oscillococcinum uma sugestão de canja muito cara. Quando alguém toma um comprimido, há um círculo que se completa: o que começou com um pato termina num pato. Não consigo imaginar melhor definição de “holístico”.

Os homeopatas garantem que depois das 200 diluições do extracto de pato, a água retém a memória de uma molécula do ingrediente original. Até agora, não se conseguiu provar que a água tenha memória. A existir, a memória da água é igualzinha à memória do vinho: quando o bebo, no dia seguinte também não me lembro de nada.

Atenção, o meu cepticismo não é dogmático. Mudo de opinião quando me mostrarem provas irrefutáveis. E a verdade é que fui agora ao quarto da minha filha e as doentes estavam todas perfiladas para uma aula de zumba. Tudo com ar bem-disposto. Tirando o Action Man."


*

O artigo gerou no Público um fórum típico da questão homeopática. Se evitar que pessoas crédulas sejam exploradas financeiramente por impostores que pretendem lucrar com a desgraça alheia, já terá merecido a pena a transcrição:

Rodrigo Aguiar
26/01/2015 00:27
Folgo em saber que Galileu Galilei foi perseguido por defender o heliocentrismo, numa época em que as provas do geocentrismo eram irrefutaveis, ainda assim ele estava certo. Arthur Schopenhauer disse um dia "Qualquer verdade passa por três estágios: Primeiro, é ridicularizada. Segundo, é violentamente combatida. Terceiro, é aceita como óbvia e evidente." Se pesquisarmos sobre homeopatia já com o principio de que esta não funciona, realmente vamos encontra-la como compostos de água e açúcar. Mas se por outro a pesquisa for feita livre de preconceitos, talvez poderemos entender quais são os seus princípios, porque é que ela funciona e que talvez ainda estejamos longe de ter a tecnologia que nos permite confirmar cientificamente as suas propriedades.
  • Miguel Almeida
    26/01/2015 09:29
    O Rodrigo não leu o texto até ao fim. "Atenção, o meu cepticismo não é dogmático. Mudo de opinião quando me mostrarem provas irrefutáveis". Chama-se a isto método científico. Na indústria farmacêutica, o método científico traduz-se num conjunto de ensaios clínicos que demonstram a segurança e eficácia do medicamento. Onde está, então, a demonstração de que o produto faz (e faz de forma segura) aquilo que diz fazer?
  • Rui Costa
    26/01/2015 10:42
    Rodrigo, o seu comentário começa mal. Galileu Galilei não foi perseguido pela comunidade científica da época. Lembra-se de algum cientista de renome que se lhe tenha oposto? Foi perseguido, julgado e condenado por quem não percebia nada de Ciência e por quem não estava interessado em olhar para os indícios mas sim para dogmas de fé. E é precisamente isso que agora o Rodrigo propõe: que tenhamos fé na eficácia da homeopatia, relegando, para um futuro distante, a possibilidade de se descobrirem provas que a sustentem...
  • JP
    26/01/2015 18:21
    Amigo Rodrigo, o que você não percebeu é que o geocentrismo está para o heliocentrismo como os homeopáticos estão para os medicamentos a sério. Se bem que as teorias que suportavam o geocentrismo tinham um pouco mais de fundamento que as que suportam os homeopáticos. No fundo, tratam-se de dois exemplos de "má ciência", embora um deles nem ciência seja.
    A ciência evoluiu centenas de anos para que deixássemos de nos fiar apenas em ervinhas e rezas. Parece-me, portanto, muito improvável que agora apareçam provas irrefutáveis de que as ervinhas e rezas funcionam melhor que os medicamentos e técnicas médicas que desenvolvemos nos últimos anos.
  • Mac
    26/01/2015 19:10
    "Amigos" Rui e Miguel! Pelos vossos comentários já percebi que defendem a indústria farmacêutica com unhas e dentes, mas outras pessoas têm o direito de escolher o que acham ser melhor para elas. Quanto a mim estejam descansados que prefiro ir dar-vos dinheiro quando estou doente ;)
  • casmaria
    27/01/2015 18:01
    Mac, o problema das farmacêuticas é outro, e não é de ciência. A investigação farmacêutica precisa de uma mudança de paradigma urgente. A investigação à porta fechada, em competição (em vez de colaboração) e financiada por entidades enviesadas é extremamente ineficiente. Para não falar nos gastos associados de marketing, patentes e outras coisas absurdas. É uma pena que ninguém pense nos custos obscenos que as farmacêuticas cobram por novos fármacos, e prefiram exigir que os governos baixem a bolinha e paguem a estas empresas, em vez de exigir que tudo passe a genérico.

Pedro Ferreira
26/01/2015 20:20
A malta quer provas visiveis, demonstrações... A tecnologia evolui, e obviamente que ainda tem muito para evoluir, por tanto ate la ainda só ha evidências, factos de que a homeopatia de facto resulta. Mesmo quem acusa a homeopatia de ser placebo, não prefere ser tratada com placebo do que com drogas? Mas não é placebo, e o que não entendo é todo este ataque à homeopatia, quando ha ensaios clínicos com resultados altamente favoráveis para a homeopatia, muitos deles duplo-cego, é so pesquisarem. A Homeopatia tem-se aguentado tão bem exatamente pela sua eficácia e ensaios clínicos. Fica mesmo só a faltar, e estou seguro de que vai acontecer, conseguirem o que voces querem, as tais provas. Mas sinceramente também nao me rala muito isso, funciona e isso é que importa... saúde.
  • SFMarinheiro
    27/01/2015 00:07
    A "malta" são os cientistas. Aqueles chatos que exigem evidências claras, resultantes de estudos publicados e descritos para que possam ser avaliados por todos. Por muito que o diga, não há um só, um estudo só que mostre qualquer superioridade da homeopatia em relação a placebo. O que é claro, visto que ambos são apenas placebos.
    Preferir placebos a medicamentos é o mesmo que preferir beber um copo de água em vez de almoçar e pagar a água a preço de caviar. E se se aguenta, é só porque há quem ganhe (muito) dinheiro com isso, enganando e enganando-se.
  • André Duarte
    27/01/2015 15:26
    Mas isso é mentira. Não há espaço para debate no que toca a factos, e o facto é que não existe nenhum ensaio que mostre eficácia da homeopática acima do placebo. Acho que o senhor não percebe sequer do que um placebo se trata. Dizer que um medicamento tem uma eficácia equivalente a um placebo quer apenas dizer que em testes, metade do grupo recebeu comprimidos de açúcar (o placebo), e outra metade preparações homeopáticas, sem saber qual está a tomar, e em ambos surtiram o mesmo efeito, provando que o "medicamento" não passa de um embuste. Não se trata de desculpar a eficácia dos homeopáticos com um suposto "efeito placebo", como se fosse batota, que é o que dá a entender que o senhor acha que isto se trata.
    A Homeopatia tem-se aguentado bem, sem dúvida, à base de crédulos e do desespero das pessoas quando confrontadas com um prognóstico negro. Sabe o que é que também se tem aguentado bem? Os cogumelos do tempo, o professor Bambo, e a Maya. Se diz que existem estudos, então mostre-os, pois enquanto que eu encontro às centenas deles, de prestigiados grupos, a dizer que a homeopatia não tem eficácia, não encontro um único a favor.
  • Pedro Ferreira
    27/01/2015 22:31
    PubMed é um banco de dados que possibilita a pesquisa bibliográfica em mais de 17 milhões de referências de artigos médicos publicados em cerca de 3.800 revistas científicas. Ha bem mais ensaios clínicos com o remédios homeopáticos. Sou aluno de medicina homeopática, e é pena todas estas guerras que existem entre medicinas diferentes, devido a interesses. Há muito estudo de volta da homeopatia, e não é falado porque simplesmente encobrem e nao interessa a muita gente que tem muito poder na medicina...
  • casmaria
    27/01/2015 23:42
    O problema não são os interesses, mas sim o facto de os estudos não serem reprodutíveis fora dos círculos de revistas homeopáticas. No mesmo PubMed (e Google Scholar) há estudos que demonstram isso mesmo. Mais: o facto de estar publicado em revista, não significa verdade cientifica, pois a reprodutibilidade é essencial.
    Os interesses das farmacêuticas são outros bem mais rentáveis: garantir que o sistema de patentes e copyright não muda e que os governos e as pessoas não se lembrem de exigir a passagem imediata a genérico de medicamentos novos com eficácia comprovada (como o Sofosbuvir, de combate à Hepatite C, por exemplo).
  • Pedro Ferreira
    28/01/2015 10:09
    Casmaria, obviamente que ha ensaios clinicos com resultados favoraveis e outros pouco favoraveis, é para isso que existem, se formos a ver a quantidade de farmacos alopaticos com maus resultados nao saíamos daqui. Mas queriam resultados positivos que mostram a eficacia da homeopatia e aqui encontram muitos. O pubmed não é baseado em revistas homeopáticas, engloba um mundo de medicinas, principalmente alopática. Quanto aos interesses nao me referia a farmacêuticas, as farmacêuticas não precisam de se chatear com a homeopatia. Tenho médicos na familia, e amigos farmaceuticos, sei do que estou a falar, e do porquê de tanta demora na regulamentação da lei das medicinas não convencionais, que está muito relacionado com o tema. Cumprimentos
  • casmaria
    28/01/2015 11:27
    A demora tem a haver com o que eu disse. A Homeopatia não está provada cientificamente, e os estudos positivos que fala, a maior parte não podem ser reproduzidos e/ou têm controlos (negativos e positivos) deficientes, ou mesmo inexistentes. É por isso que dificilmente são aprovados em revistas de alto impacto. E convém lembrar (e explicar para quem não sabe) que o PubMed indexa revistas científicas, independentemente do seu impacto ou qualidade dos artigos (que é responsabilidade dos autores e editores dessas revistas). Por essa razão, há lá muito lixo.
  • José Cid Adão
    28/01/2015 12:46
    Pedro, aconselho-o a não desistir dos seus estudos em homeopatia. Em primeiro lugar, porque qualquer remédio homeopático que invente vai ter o mesmo efeito que qualquer outro que já exista. Todos os homeopatas são, por isso, autoridades no seu campo. Segundo, porque como alguém dizia, nunca ninguém perdeu dinheiro por subestimar a inteligência das pessoas.
  • Pedro Ferreira
    28/01/2015 14:23
    Casmaria, você de facto nao esta minimamente dentro do assunto da regulamentação das medicinas não convencionais, se voce estivesse certo a naturopatia por exemplo ja estava regulamentada, mas insiste em argumentar como se percebesse muito disto... Não vale a pena continuar a discussao consigo porque acho que simplesmente é do contra e de ideias fixas. Vim aqui para a uma discussao saudavel, que se tornou numa tentativa de competiçao de conhecimentos.
    Caro Jose Cid, " ... qualquer remédio homeopático que invente vai ter o mesmo efeito que qualquer outro que já exista", esta so pode ser mesmo a sua opinião, porque fundamento não tem nenhum. Cumprimentos
  • casmaria
    28/01/2015 15:14
    Pedro Ferreira, a acupuntura, por exemplo, já é aceite pela comunidade científica, porque foram feitos estudos como deve ser sobre os seus efeitos, assim como têm sido isolados vários princípios ativos com aplicação clínica, cuja origem é de plantas usadas em medicina tradicional. Estamos a falar de Homeopatia. E já agora aquilo que eu falei do PubMed, aplica-se a qualquer tema lá indexado, qualquer um.
  • Pedro Ferreira
    28/01/2015 16:16
    Ok Casmaria, mantenha a sua que eu mantenho a minha...
  • André Duarte
    28/01/2015 19:32
    Eis o que encontrei na pubmed (/pubmed/12492603): Um estudo de estudos que mostra que aglomerando os resultados de centenas de estudos ao longo dos anos, não existem diferenças estatisticamente relevantes entre a homeopatia e o grupo de controlo. Naturalmente que encontrará artigos a mostrarem evidências a favor, tal como nos anos 50 encontrava estudos que mostravam conclusivamente os efeitos benéficos do tabaco. Agora sabemos bem quem financiava os laboratórios que chegavam a essas conclusões (as companhias de tabaco). De igual modo, se nos restringirmos a laboratórios independentes de renome, então e que nem conseguimos encontrar um único estudo conclusivo a favor. Claro que as companhias que vendem água e açúcar a 10€ a caixa têm interesse em que pareça haver estudos a seu favor...
  • André Duarte
    28/01/2015 19:55
    Outra coisa: diz-me que "estuda" homeopatia. Fui ver à internet quão diluído é o fígado de pato no Oscillococcinum. Aqui vai o número: 10﹣⁴⁰⁰ grama! O senhor faz a mais pequena, a mais ténue, a mais débil ideia do que isto significa? Olhe que eu não. Nos meus estudos estou habituado ao infinitesimal, mas este número escapa qualquer tentativa humana de o caracterizar. É 0,00...(400 zeros)...001 grama. É um trilionésimo de um trilionésimo de (repetir 33 vezes) de um trilionésimo de grama.
    Sabe quantos grãos de pó cabem daqui ao Sol? 150.000.000.000.000.000, uns míseros 15 zeros.
    Sabe quantos átomos há no universo? 10⁵³ (1 com 53 zeros à frente).
    Quantos volumes de Planck (o limite teórico da "resolução" no Universo, 10﹣¹⁰⁵ m³, tão pequeno que não vale a pena imaginar; as células mais pequenas do nosso corpo têm meros 10﹣¹⁸ m³) existem no universo? 10¹⁸⁵, um número incompreensível e, no entanto, é totalmente nulo face à inefavelmente enorme diluição do fígado neste "medicamento".
    Epá e o senhor vem dizer que vende algo mais que açúcar? É fisicamente impossível que os homeopáticos sejam mais eficazes que um placebo, porque eles são literalmente um placebo! E os estudos comprovam isso mesmo. Portanto assuma uma vez por todas que vende banha da cobra que todos os que compraram juram a pés juntos que faz maravilhas...
  • Pedro Ferreira
    28/01/2015 22:27
    Que grande testamento André Duarte. No PubMed como ja disse ha ensaios clinicos com bons e maus resultados ate na alopatia, agora essa mania da perseguição de que os resultados sao manipulados é uma estupidez, entao isso tambem serve para a alopatia. Outro ponto, a Homeopatia funciona em varias potências ou diluições, não só em potencias que ultrapassam o numero de avogadro, a partir da 12ª centesimal é que os cientistas nao conseguem encontrar nenhuma molecula da materia mãe em causa (por enquanto), abaixo disso conseguem e aí ha prova cientifica obviamente.
    Mas ha uma grande tendência de quem nao percebe nada de homeopatia a generalizar e dizer que a homeopatia é so agua e açucar, ou alcool (ou seja, todos voces pensam que não ha medicamentos abaixo dos 12ch ou 12k). Encontra muitos medicamentos homeopaticos a venda com diluiçoes abaixo dos 12, e ate decimais. Aqui também aproveitamento da industria farmaceutica. O objetivo da homeopatia é fazer um tratamento holistico, precisamos de mais informações da pessoa, do seu historial clinico para lhe receitar-mos o medicamento ideal. Ir a farmacia e comprar um produto homeopatico para um sintoma é meramente paliativo. Este ultimo ja é influencia tambem dos medicos que se especializam em homeopatia. Um bom homeopata de raiz é muito pouco provavel que receite Oscillococcinum ou outro comercial.


1 comentário:

  1. quem não percebe mais de energias, de corpos subtis , de chakras, não se pode esperar que perceba como funciona a homeopatia..vais sempre continuar a viver na ignorância , a atacar o que não alcança, e a defender o que não presta. A falta de consciência transcendental é o mal deste planeta.

    ResponderEliminar